terça-feira, 5 de julho de 2016

Compras :)


Compras de ontem :
Marinada de galinha
Leite de coco
Sementes de sésamo preto
Garam Masala
Tofu rijo
Cogumelos
Aperitivos

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Queques de limão com pepitas de chocolate


Estes queques são uma verdadeira delícia!!! Ficam super fofinhos por dentro e os rebordos crocantes. Adoro!!!


Ingredientes:

200g de açúcar branco fino
2 ovos
100 ml de leite
200g de manteiga sem sal derretida
sumo e raspa de 1 limão
100g de pepitas de chocolate (usei chocolate negro, 50% cacau)
240g de farinha
20g de amido de milho (maizena)
1 c. chá de aroma de baunilha
1 c.chá de fermento
1 colher de sobremesa de bicarbonato de sódio


Modo de preparação:

- Misturar os ovos e o açúcar com a batedeira, até obter uma mistura cremosa e esbranquiçada. 
- Juntar o sumo do limão e a raspa.
-  Adicionar a maizena e metade da farinha e envolver.
- Juntar o leite e o aroma de baunilha.
- Adicionar a manteiga derretida.
- Adicionar a restante farinha, o fermento e o bicarbonato de sódio. Envolver delicadamente.
- Juntar metade das pepitas de chocolate.
- Colocar a mistura no frigorífico cerca de 20 minutos.
- Distribuir a mistura por formas e polvilhar com as restante pepitas de chocolate.
- Levar ao forno pré-aquecido a 180º cerca de 15 minutos.



quinta-feira, 30 de junho de 2016

Mousse de manga com quark - um post em parceira com a nutricionista Diana Ferreira

Foi em 2009 que criei este blog, na mesma altura em que eu e D. fomos viver juntos e que comecei a cozinhar. A ideia do blog era motivar-me nesse novo mundo da culinária.
Comecei também nessa altura a minha vasta colecção de livros e revistas de culinária.

No outro dia, estávamos em arrumações e decidi dar uma vista de olhos à pilha de revistas de culinária, em busca de receitas e ideias. Cheguei a uma conclusão muito interessante, de 2009 para cá que os nossos hábitos alimentares melhoraram bastante.

As revistas mais antigas estão cheias de receitas que hoje jamais as faria: cheias de cremes, margarinas, sal , açúcares, maioneses e com pouca diversidade de ingredientes. Numa altura também em que os supermercados ainda não tinham cardamomo nas prateleiras (daí o nome deste blog :D ), que muitos ingredientes ainda estavam restritos a lojas muito específicas de produtos naturais, que ainda ninguém sabia o que eram sementes de sésamo, linhaça ou chia, as frutas e legumes eram os do costume, sem batata roxa ou couve romanesca, a batata doce só aparecia no Outono, os leites vegetais tinham preços proibitivos e ainda ninguém se importava com a quantidade de açúcares e gorduras que estávamos a consumir.

Foi então que as coisas começaram a mudar, aprendemos a ler os rótulos dos alimentos e descobrimos que aquele sumo natural super saudável, que os nossos cereais da manhã, que a carne picada  e muitos outros alimentos do dia-a-dia afinal estavam carregadinhos de açúcar. Foi também nessa altura que começou a grande febre dos batidos verdes e afins. Começávamos assim a ter alguma preocupação com aquilo que comíamos todos os dias.

Cá por casa os nossos hábitos também mudaram bastante! Deixamos de consumir leite de origem animal ( hoje em dia já se consegue comprar leites vegetais ao preço do leite de vaca!), de comprar cereais (passei a fazer granola semanalmente), de adicionar açúcar o café ( o D. já abdicou totalmente do açúcar, eu ainda uso metade do pacote... shame on me), a consumir muito mais fruta e legumes, as refeições pré-feitas muitooo raramente entram cá em casa e refrigerantes só em dia de festa.

O melhor de tudo é que hoje em dia é super fácil de encontrar toda uma gama de produtos saudáveis em qualquer supermercado. As marcas precisaram de se adaptar, o que é óptimo!
Actualmente temos uma preocupação com os hábitos alimentares muito maior!

É neste contexto que hoje vos trago um post um pouco diferente, feito em parceria com a nutricionista Diana Ferreira.

A receita que está abaixo é da autoria da Diana . Uma sugestão deliciosa, sem açúcares adicionados e 0% de gordura: Mousse de manga com quark.


Ingredientes:

450 g de manga
325g de quark ( entre 10 a 12 colheres de sopa ( coloquei 11 e meia). Pode também fazer com iogurte grego 0% gordura
1 saqueta e meia de gelatina em pó
2 claras de ovo.
Preparação:

- Piquei a manga aos cubos e passei com a varinha (faça na liquidificadora, fica mais cremosa)
- Bati as claras em castelo e deixei a repousar no frigorifico alguns minutos Enquanto misturei a manga com o quark. dissolvi 1 saqueta e meia de gelatina em colheres mornas de água num copinho à parte (em aproximadamente sete colheres de sopa de água morna - o fundinho de um copo até molhar todo o pó)
- Adicionei a gelatina líquida ao creme de manga enquanto mexia sempre.
- Por fim adicionei as claras e mexi cuidadosamente (Envolvi).

Nota: O açúcar se adicionar.. adicione meia colher de sopa de açúcar mascavado na mistura da manga com o quark e prove para verificar se está ao seu gosto. A quantidade de doçura adicionada depende muito da doçura da manga. Estas eram bem docinhas 🙂 não foi necessário adicionar doçura, por isso opte por mangas bem madurinhas. Rende 8 taças


Podem visitar a página da nutricionista Diana Ferreira no Facebook , acompanhar as dicas saudáveis e marcar a vossa consulta!


segunda-feira, 27 de junho de 2016

Zoodles com amendoim e cogumelos frescos


Há mais ou menos um ano atrás tinha feito um óptimo negócio: um espiralizador para vegetais no ebay por menos de 3 euros.
Esse espiralizador ainda existe, já espiralizou uns bons kilometros de courgette e cenoura e continua em óptimo estado.

Hoje decidi fazer zoodles, como uma alternativa ao arroz e às massas.


Ingredientes (2 doses):

- 1 + 1/2 courgette espiralizada (zoodles)
- 1 c.sopa óleo de sésamo
- 1 mão cheia de amendoins
- 6 cogumelos frescos laminados
- molho inglês
- molho de soja
- sal
- cominhos
- 1/2 lata de leite de coco
- chilli em flocos
- sementes de sésamo

Modo de preparação:

- Aquecer o óleo de sésamo e fritar os amendoins.
- Juntar os cogumelos e temperar com molho inglês e molho de soja a gosto.
- Adicionar  a courgette espiralizada e o leite de coco.
- Temperar com sal, cominhos em pó e chilli em flocos.
- Saltear alguns minutos.  ( Os zoodles ficam bons mais crocantes, pelo que convém não deixar cozer)
- Polvilhar com sementes de sésamo.



Sabem ler as cascas dos ovos?


"Desde 2004, por imposição das instituições da União Europeia, todos os ovos comercializados passaram a ter uma espécie de "bilhete de identidade".

O consumidor fica deste modo a saber, por intermédio de um código impresso na embalagem e no ovo, qual o país de origem do produto, em que condições foram criadas as galinhas e qual a zona de exploração.

Assim, o primeiro digito corresponde ao código do modo de criação; depois, as duas letras formam o código do estado-membro; segue-se mais um dígitoque indica qual a Direção Regional de Agricultura que supervisiona a exploração de onde os ovos são originários, também ela representada por um código de três algarismos.

Modo de criação

Sistema de gaiolas convencionais (Código 3): Os mais comuns, mais baratos e menos saudáveis. Este tipo de ovos é produzido por galinhas que passam a vida adulta numa gaiola. As dimensões das gaiolas estão definidas, correspondendo a 550 cm2 por animal. As condições de iluminação são modificadas para criar nas galinhas a ilusão de que há mais horas de sol e, portanto, fazer com que tenham uma maior produtividade.

Produção no solo (Código 2): Os animais não estão encerrados em gaiolas, mas juntos num extenso galinheiro. A densidade de galinhas é de aproximadamente 10 animais por metro quadrado e sem possibilidade de sair para o exterior. Neste código e no código 3 o bico das galinhas é cortado, uma vez que a situação de stress fazem-nas ter comportamentos anormais, como atacar outras galinhas ou auto-mutilação.
Produção ao ar livre (Código 1):Significa que as galinhas são criadas “ao ar livre”. Têm um espaço interior, de condições similares ao código 2, onde pernoitam ou se abrigam quando o tempo apresenta condições meteorológicas adversas. Mas também têm um espaço exterior, ao ar livre, adaptado às suas necessidades, com uma densidade mínima de 4 m2 por animal, isto é, 40 vezes maior do que no código 2.

Modo Biológico (Código 0):Corresponde à situação onde as galinhas, estando nas mesmas condições do código 1, beneficiam de uma alimentação diferente que procede maioritariamente da agricultura biológica (a ração também está regulada). A diferença de preço entre ovos de código 1 ou 0 e ovos de código 2 ou 3 não é maior que um euro para meia dúzia de ovos.Da próxima vez que for ao supermercado ou à superfície onde habitualmente faz as suas compras, repare na marcação. É útil e ajuda-o a perceber o que de facto anda a ingerir.

Afinal, nós somos aquilo que comemos."

Artigo publicado originalmente AQUI.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Whoopie pies








Há mais ou menos um ano comprei esta mistura para fazer  Whoopie pies. Uma sobremesa típica americana que consiste basicamente numa sanduíche de biscoito recheada com creme.

Regra geral, não sou muito adepta destas misturas pré-feitas. Não gosto da ideia de não puder controlar a quantidade de açúcar, de óleos, conservantes, corantes e afins.
Por outro lado, dificilmente resisto a caixinhas cor-de-rosa fofinhas e em promoção ( menos de 1 euro). 
Comprei a pensar que se tratava de uma mistura pré-feita para macarons. Whoopie pies talvez fosse um nome americanizado para o famoso doce francês. So que não....
Quando cheguei a casa é que dei conta o que eram de facto os Whoopie pies.

Com o prazo de validade quase quase no fim, decidi finalmente fazê-los.

Gostei bastante!!! Os bolinhos de fora são bastante fofos e húmidos e o recheio super cremoso e fresquinho.  

Agora fiquei curiosa para fazer esta receita à séria, sem pózinhos manhosos. 

Alguém por aí conhece uma boa receita deWhoopie pies?


quinta-feira, 23 de junho de 2016

Hoje no Lidl...

Não resisti ....

* massa armoniche
* lambrusco branco
* trufa branca, alho e oregãos em spray (!!!)
* queijos mozzarella e scarmoza
* pesto fresco
* mascarpone
* tortellini recheado com abóbora